União de associados é fundamental na defesa da PREVI

Ultimas Noticias
Tipografia

Representantes dos participantes, Wagner Nascimento e Marcel Barros, indicam que a união de associados da ativa, aposentados e pensionistas para ampliar a resistências a ameaças de interferência externa na gestão do fundo de pensãoPor Jair Rosa

 

ENTREV topo

O novo diretor eleito de Seguridade da Previ, Wagner Nascimento, tomou posse em 26 de agosto, depois de habilitado pela Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar), em substituição a Marcel Barros.

Wagner integra a Chapa 1 - Previ para o Associado, eleita com 64.880 votos (58,14%) na eleição ocorrida em julho. A Chapa 2 - Mais União recebeu 30.948 votos (27,73%).

Os demais integrantes da Chapa 1 - veja composição completa abaixo – para o mandato de quatro anos, tomarão posse assim que a Previc concluir o processo de habilitação de todos os conselheiros.

Wagner e Marcel atenderam solicitação de entrevista à AFABB-SP. Nas duas entrevistas exclusivas, eles reforçam a necessidade de ampliar a defesa em torno da Caixa de Previdência.

 

PREVI WAGNER

Wagner Nascimento

O novo diretor eleito de Seguridade da Previ, Wagner Nascimento, foi conselheiro deliberativo do fundo de pensão por quatro anos e já coordenou a Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil. Na entrevista que segue, ele faz breve análise conjuntural.

 

AFABB-SP - O Banco do Brasil e a Previ correm sérios riscos de serem entregues ao mercado. Como é possível enfrentar essas ameaças para preservar o banco público e o fundo de pensão do funcionalismo?

Wagner Nascimento - No cenário político atual do Brasil, todas as empresas públicas estão seriamente ameaçadas, mesmo as muito lucrativas como é caso do Banco do Brasil. Neste cenário, torna-se muito importante a atuação de todas as entidades de defesa do funcionalismo do BB, seja da ativa ou aposentados, nas mobilizações de quem vai ajudar a travar o processo de privatização. O Congresso Nacional é muito importante   pois, na última avaliação, a maioria dos parlamentares era contra a privatização do BB. Por isso, precisamos fazer a pressão o tempo todo para o que o Congresso não permita a venda das subsidiárias.

Além disso, o cenário de privatização, coloca em risco o patrocínio do BB na Previ.

Existe ainda outro grave problema que é a tentativa de mudança do modelo de governança, que não precisaria de uma privatização para interferir na gestão do fundo de pensão. Precisamos defender que os dirigentes da Previ sejam associados da Previ. Isso protege as decisões e o patrimônio dos associados.

 

AFABB-SP - A pandemia da Covid-19, além de provocar milhares de óbitos, também tem afetado a economia. Como a Previ está lidando com essa situação?

Wagner Nascimento - A Previ tem áreas específicas de investimentos e de risco que estão o tempo inteiro monitorando os investimentos, tanto no setor produtivo quanto na carteira imobiliária. A Previ tem recuperado bastante de março para cá, o que prova a solidez da carteira própria e a competência dos gestores e técnicos em lidar com situações de crises.

A comunicação da Previ tem procurado passar o máximo de informação e transparência aos associados, um dos compromissos dessa gestão.

Para isso, a Previ divulga o Boletim de Desempenho todos os meses e os associados podem conferir essa recuperação. 

 

AFABB- SP - Há a possibilidade de estabelecer uma parceria maior entre a Previ e entidades como a AFABB-SP para a criação de canais de aproximação maior com os associados do fundo de pensão?

Wagner Nascimento - Sim, já estamos pensando em projetos para melhorar o relacionamento e aproximação com os associados. Considero as associações de aposentados atuantes, como é a AFABB SP, assim como as entidades sindicais e associativas, um veículo importante para fazer essa ponte da Previ para integrar cada vez mais os associados.

Podem contar com o meu mandato para discutir novas ideias e viabilizar cada vez mais essa aproximação.

 

 

 PREVI MARCEL

Marcel Barros 

Marcel Barros está encerrando seu mandato de diretor eleito de Seguridade. Na entrevista que segue ele faz breve balanço de sua gestão e aponta a necessidade de o funcionalismo defender a Previ e o caráter público do Banco do Brasil.

 

AFABB-SP - Quais foram os principais avanços que destaca em sua gestão?

Marcel Barros – No Plano 1, trabalhamos no sentido de dar mais segurança por se tratar de uma modalidade que já é “madura” e está pagando benefícios.

Dessa forma, a taxa atuarial foi alterada para 4, 75 -  aproximando mais da realidade do mercado – e foram feitos ajustes na tábua de mortalidade, pois, felizmente, conforme as pessoas vão vivendo mais, é necessário deixá-la mais conservadora.

Já no Previ Futuro, buscamos maior participação por parte do associado – aquele que tomou posse após 1998 -, dando a ele mais condições de atuar na formação de sua reserva.

Nesse caso, foram melhorados os perfis de investimento e criados os ciclos de vida. Isso permite ao associado uma   melhor administração de sua reserva para buscar rentabilidade maior ao longo do tempo.

Embora ainda falte anuência da Previc e do BB, aprovamos o teto de benefícios, que dará mais segurança ao fundo de pensão.

Outra medida importante aprovada no Conselho Deliberativo foi a criação do Previ Família, dirigido aos familiares dos associados.

 

AFABB-SP - Qual a importância de aposentados e pensionistas na defesa da Previ? 

Marcel - É fundamental a participação de aposentados e pensionistas, do pessoal da ativa, na defesa da Previ. Não podemos esquece que a Previ é uma entidade associativa. A base da governança da Previ são seus associados. Portanto, são os associados que representam sua grande fortaleza. Toda vez que sofremos ataque, a participação dos associados foi fundamental para evitar retrocesso. Em meu mandato, por exemplo, houve a tentativa de se aprovar o PLP 268 (Projeto de Lei Complementar 268) que buscava interferir na governança dos fundos de pensão. Foi a participação ativa das entidades de representação do funcionalismo, do pessoal da ativa e aposentados na pressão a parlamentares que conseguiu manter nosso modelo de gestão. Um modelo vitorioso e que tem mostrado que a Previ se mantem segura e administrada com competência.

Além disso, ter uma eleição que conta com mais de 50% de participação também mostra a importância dos associados, sua força e revela porque nosso fundo de pensão é referência para todo o Brasil.

 


Conheça a chapa vencedora

Chapa 1 – Previ para o associado

 

Diretor de Seguridade

Wagner Nascimento     

 

Conselho Deliberativo

Titulares: Ernesto Shuji Izumi e Carlos Alberto Guimarães de Sousa

Suplentes: Fábio Santana dos Santos Ledo e Odali Dias Cardoso

 

Conselho Fiscal

Titular: José Eduardo Rodrigues Marinho

Suplente: Rene Nunes dos Santos

 

Conselho Consultivo do Plano 1

Titular: Mirian Cleusa Fochi

Suplente: Rita de Cássia de Oliveira Mota

 

Conselho Consultivo do Previ Futuro

Titular: Maria Cristina Vieira dos Santos

Suplente: Tânia Dalmau Leyva

 


 LOGO ASSINATURA

.....................